Saturday, October 21, 2006

Naquele tempo, Tiago e João, filhos de Zebedeu, aproximaram-se de Jesus e disseram-Lhe:
«Mestre, nós queremos que nos faças o que Te vamos pedir».
Jesus respondeu-lhes:
«Que quereis que vos faça?»
Eles responderam: «Concede-nos que, na tua glória, nos sentemos um à tua direita e outro à tua esquerda».
Disse-lhes Jesus: «Não sabeis o que pedis.
Podeis beber o cálice que Eu vou beber e receber o baptismo com que Eu vou ser baptizado?»
Eles responderam-Lhe: «Podemos».
Então Jesus disse-lhes:
«Bebereis o cálice que Eu vou beber e sereis baptizados com o baptismo com que Eu vou ser baptizado.
Mas sentar-se à minha direita ou à minha esquerda não Me pertence a Mim concedê-lo; é para aqueles a quem está reservado».
Os outros dez, ouvindo isto, começaram a indignar-se contra Tiago e João.
Jesus chamou-os e disse-lhes: «Sabeis que os que são considerados como chefes das nações exercem domínio sobre elas e os grandes fazem sentir sobre elas o seu poder.
Não deve ser assim entre vós: Quem entre vós quiser tornar-se grande, será vosso servo, e quem quiser entre vós ser o primeiro, será escravo de todos; porque o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida pela redenção de todos».
Mc 10,35-45


Bolas é muito difícil ser coerente. Ás vezes pergunto-me se serve para alguma coisa ser coerente! Tendo a viver com distintos horizontes, distintas lógicas… às vezes sinto-me bem-aventurado, e outras sinto uma enorme revolta. Às vezes creio em ti até ao mais íntimo, e outros momentos nem me recordo de ti. Há ocasiões em que as minhas acções me falam de ti, e outras negam-te. Como viver Senhor, com a tua estranha lógica? Como atrever-me a afirmar-te sempre, na vida, em tantas ocasiões? Como tornar-te parte das minhas opções, do meu trabalho, das minhas relações, do meu ócio, dos meus desejos e dos meus projectos?

Mais um desafio amigos, para mim e para vós, todos vamos na mesma barca.

Há dimensões da minha vida nas quais Deus está ausente? (ou nas quais não poderia entrar?)Alguma vez o evangelho me colocou em encruzilhadas difíceis?

Quero subir com Jesus a Jerusalém?

Vamos participar com alegria e esperança…

9 comments:

Joana said...

Ás vezes quero subir com Jesus a Jerusalém,sim. E quero que ele partilhe comigo o seu 'duro' cálice. Quero tê-lo como mapa, luz ou abraço nos momentos mais tristes ou revoltantes... Até quero quero que todos saibam que amo Jesus e que ele me ama!
Outras vezes, com os olhos cheios de poeira ou de sei-lá-o-quê, deixo-me ficar nos sofás confortáveis do facilitismo. Então sou só mais um dos jovens que se acha forte de mais, corajoso de mais para precisar de outro Pai, de outro amigo.
O evangelho, por vezes, aparece, do nada. Mais presente do que nunca. E em certos momentos vejo-me no cego que se cura, ou no discíplo que não entende a verdadeira missão que lhe foi conferida. Então recomeça o ciclo [se é que se pode chamar assim] sempre com a esperança de, desta vez, não ser esquecida a missão que sei que tenho.

[ufa!]

*

Sandra Dantas said...

Sim,a coerência é uma grande dificuldade na nossa vida!!!
Realmente, tantas vezes, também eu me interrogo se valerá a pena... Onde está o sentido... e tantas outras coisas! Mas é esta mesma limitação que me leva a "ver" para lá do vejo e ter a certeza de que Ele está sempre presente na minha vida, se assim não fosse não seria capaz de continuar a caminhada!
Jesus subiu a Jerusalém por AMOR e só quando formos capazes de amar esta humanidade do mesmo modo, seremos capazes de "beber o cálice"!
"Só o AMOR é digno de Fé!"

Manuel said...

Devido à proposta de referendo, o aborto vai ser tema de debate nos próximos tempos.
Decidi asociar-me a esse debate com a criaçäo de um novo blogue monotemático: razoesdonao.blogspot.com

Convido à participaçäo e à divulgaçäo.

Abraço

Paulo said...

Palavras de grande verdade, tal como tu, também eu faço essa pergunta inumeras vezes. Também eu, por vezes, quero beber desse cálice mas não quero sofrer por ele. Incoerências de um ser humano que aspira a ser servidor mas por vezes, prefere ser servido:(

Anonymous said...

De facto as tuas palavras não podem ser mais claras daquilo que é a realidade...Muito dificil ser corente, muito dificil aceitar tantas coisas que acontecem ao longo da minha vida,aí, faço as mesmas perguntas á cerca de Deus...(Humanos frageis)...Mas, no fundo nao consigo caminhar sem ele, preciso da presença dele na minha vida...
Parabens pela escolha do tema e das palavras...

Anonymous said...

É verdade...
Bem Podemos tomar estas palavras como ponto de partida para reflectirmos sobre a forma como vivemos com Deus na nossa vida...

malu said...

Olá Padre Carlos,

Mais um bom desafio e assim de repente, deixe-me pegar por aqui: "Como viver Senhor, com a tua estranha lógica?" - dá que pensar e então, a coerência é o que nos serve na fé e assim, procuro manter a ideia de que a Sua lógica é a do Amor, mas ainda, de um Pai. Portanto amoroso. Que em tudo nos conduz e até Ele. Ele é o Caminho e, se parto daí, devo pôr de lado os meus próprios projectos, pois que de nada me vale se não estiverem integrados nos dEle.
Por mim, penso que falho sempre que pretender qualquer coisa diferente do que Ele queira para mim.
A vida é difícil, sim, mas estaríamos a fazer um favor a nós próprios, se a víssemos, e em tudo, a vontade dAquele que melhor nos quer, que nos criou e que nos há-de chamar quando bem entender.

Agora, sim, estamos todos na mesma barca, cada um a seu jeito, mas, gosto de pensar que vamos remando até à Grande Barca onde com Ele e nEle, nos reuniremos todos em verdadeira família. Até lá, Ele está lá - connosco nesse imenso mar, ora tempestuoso, ora calmo e delicioso, vendo, guiando e ajudando-nos a chegar até "Lá".

Que seja e sempre um 'projecto comum', que eu saiba ver, escutar e discernir os sinais que nos vai dando. E aproveitando todas "as boias" que Ele mesmo nos vai deixando ao largo e no meio da tempestade. O 'segredo' será não me perder nesse 'mar' (de Amor) e a teoria justifica-se na passagem (do tal Cabo) da teoria à prática.

Um abraço amigo e em Cristo.

Olhe o Céu said...

nossa... como é difícil
às vezes somos terra fértil, outras terra seca.
como dizia paulo. "não faço o bem que quero, mas o mal que não quero."
somos humanos... limitados,
o segredo está em caminhar sempre,
nos perdemos no caminho, mas sempre podemos voltar, e seguir andando.
Beijos peregrinos.
Babi e zé

Maria João said...

A mim o que me custa sempre mais é a espera.

Eu acredito, mas nunca mais vejo...

Não é fácil, mas mesmo assim Deus permite-me continuar a erguer a cabeça e a acreditar na Sua Palavra.

Acho que passamos por estes momentos para vermos que tudo Lhe devemos. Até a Fé e o Amor por Ele.